Que Estranho É...

Oiii gente, me desculpem eu estar tão sumida, mas esse segundo semestre na faculdade está definitivamente acabando comigo D: apesar de eu estar amando todas as cadeiras (diferentemente do primeiro), são inúmeros textos para ler, fazer resumos e questionários.  
Com base nisso, o meu professor de Teoria da Comunicação indicou um livro para lermos e que precisamente será usado como “prova” para o final do semestre, que se chama Admirável Mundo Novo. Depois eu comento direitinho sobre esse livro incrível do Aldous Huxley! Por que hoje, eu vim postar um texto que eu fiz para a mesma cadeira, que a intenção seria começar: “Que estranho é...”. No começo eu fiquei pensando o que raios eu poderia escrever sobre algo estranho, até por que é tão relativo, são tantas coisas que eu considero “estranhas” e não saberia formular as palavras certas para pôr em prática... aí lembrei de um tema que sempre, >SEMPRE< me incomodou desde quando eu comecei a entrar no mundo dos livros, que é o preconceito literário. Eu postei apenas no grupo da sala, onde todo mundo postava os seus e o professor analisava, junto com os colegas que poderia ver e discutir. E bom, eu espero que gostem!!! Beijos!


google images

Que estranho é você não poder ler o que quiser por receio de alguém vir criticar pelo seu gosto literário. Em que planeta vai tornar o indivíduo superior ao outro por usufruir dos pensamentos de Maquiavel, Tolkien ou até mesmo Hobbes? Isso não diferencia por ser um grande leitor ou uma pessoa cult. Têm quem defenda a extrema importância da leitura para a reflexão e o conhecimento do ser humano, porém o mesmo, julga autores contemporâneos usando termos como "modinhas" para justificar que tal tipo de literatura não tem valor algum, seja ela autoajuda ou até mesmo para o próprio entretenimento. O fato é que, ler não se resume apenas em cultura e maturidade. Parte da sociedade necessita entender que cada um tem o seu momento, somos indivíduos diferentes, com desejos diferentes. O amadurecimento literário se adquire com o tempo e isso vai de acordo com cada um! Não adianta chegar em um adolescente ou até mesmo em um adulto, e falar que Harry Potter é "coisa" de criança e uma perda de tempo para o conhecimento. Isso não vai "te" tornar uma pessoa melhor por achar no direito de julgar, a imagem que passa é de um cidadão preconceituoso e de mente fechada, que não está adepto para ouvir novas opiniões. Como vai ser esse tipo de pessoa no futuro? no local de trabalho, com a família? será que realmente vai valer a pena? O que eu mais ouvi durante a minha adolescência foi: "Nossa, mas você gosta de livros sobre lobisomens e vampiros, né?" ou "Se tu continuar nesse gênero, nunca vai subir na vida." Mas desde quando eu mudo meu ponto de vista sobre o que eu lia ou deixava de ler? Agora se eu começar por um George R. R. Martin, eu serei uma sabe-tudo, conceitual, cult da vida, certo? As coisas não funcionam assim, eu leio porque eu gosto e porque é sempre um momento prazeroso e que me faz bem, se você, que tem preconceito e não curte determinado gênero, simples, não leia! a imagem de um pseudointelectual não dá certo. Não aprendemos também a respeitar apenas nos livros, lá é um local para abrirmos a mente, para novos caminhos e conhecimentos. Se você é um garoto e sente vontade de ler a A Seleção, por exemplo, leia, desfrute! mesma coisa das meninas que sentem vontade de ler quadrinhos, leiam! Por que não? eles estão lá justamente para serem lidos. Particularmente uma das melhores sensações que eu sinto, é incentivar a leitura para as pessoas. Eu tenho uma amiga que não tinha o menor costume der ler, tinha pavor de livros. Depois que eu emprestei um de seu gênero literário preferido, ela já sonha em montar sua própria biblioteca. A minha conclusão é bem simples, que já tem que vir de todo ser humano. Compartilhar mais a tolerância e o amor ao próximo, praticar o respeito e enfim, crescer com ele.



2 comentários:

  1. Iara, só li verdades no seu texto.
    Me pergunto até quando o mundo pretende julgar o que devemos ler.
    Temos que ler o que nos faz sentir bem, não importa autor o gênero.
    O importante é gostar e sentir prazer.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Déborah! falou tudo, e eu espero realmente que as pessoas reflitam mais sobre isso também... obrigada pelo comentário!!! :D - Iara

      Excluir

Tecnologia do Blogger.